Introdução alimentar: quais são os benefícios para o bebê?

introdução-alimentar

Neste texto você vai entender quais são os benefícios da introdução alimentar para o bebê e seu desenvolvimento. Também vai compreender que ela pode estimular diferentes sentidos do bebê quando realizada da forma mais adequada e que se trata de um processo que começa desde a gestação.

Formação de hábitos alimentares saudáveis

Os hábitos alimentares do bebê são construídos ao longo do seu desenvolvimento, tendo como momentos cruciais a amamentação e a introdução alimentar.

E se você souber que a introdução alimentar tem seus primeiros momentos não na transição da amamentação para os alimentos, mas desde a barriga da mãe?

Por isso, desde a gestação é importante se atentar para a introdução alimentar, pois é um fator essencial para o desenvolvimento do bebê, como você vai entender a seguir.

Formação de hábitos alimentares saudáveis

Quando o bebê está no útero não só ocorre o desenvolvimento celular, mas também há o desenvolvimento sensorial. Este o conduzirá a desenvolver suas percepções e habilidades de sentir o mundo ao seu redor, como sons e sabores, por exemplo.

Dentro do útero o bebê já começa a ter contato indireto com o meio externo. Por isso, a gestação é considerada uma janela de oportunidade para estimular diferentes percepções.

Como o bebê é nutrido através do corpo da mãe, a qualidade e variabilidade da alimentação dela vão propiciar as primeiras experiências com sabores.

Portanto, dentro do útero, o contato com diferentes sabores provenientes da alimentação materna é também um dos fatores cruciais para o desenvolvimento do bebê.

Desenvolvimento do bebê na gestação e o paladar

No útero, o bebê recebe os nutrientes que foram ingeridos pela mãe, e com 16 semanas já consegue sentir os gostos dos sabores a partir do líquido amniótico. Tudo que a gestante se alimenta irá influenciar no sabor do líquido amniótico.

Dessa forma, os bebês já começam a preparação para a introdução alimentar e têm o primeiro contato com os principais sabores – azedo, amargo, doce e salgado.

Ao iniciar a introdução alimentar na gestação, há a contribuição tanto para a sua saúde da gestante, quanto para a saúde e desenvolvimento do bebê.

Gestação e a seletividade alimentar

Ao ter uma alimentação saudável e balanceada na gravidez a mãe aumenta a probabilidade de o bebê desenvolver bons hábitos alimentares futuros.

Dessa forma, esse primeiro contato com sabores mais diversos ajuda na prevenção da seletividade alimentar e até a evitar problemas de saúde futuros.

Então, caso a mãe deseje que seu bebê tenha uma alimentação variada e coma bem, é importante incluir uma alimentação saudável já durante a gestação.

Isso facilitará para o desenvolvimento do bebê e para que ele aceite mais fácil os alimentos no momento que iniciar a introdução alimentar, pois muitos dos sabores já serão familiares.

Primeiros meses e amamentação exclusiva

Após o nascimento, o bebê se alimentará com exclusividade do leite materno ou em alguns casos a fórmula infantil. Essa alimentação já será suficiente para suprir todas as suas necessidades nos primeiros meses de vida. Nesse período, é importante saber que tudo que a mãe ingerir irá influenciar no sabor do leite.

É importante ressaltar que o leite fornecerá os nutrientes necessários, além de ajudar no desenvolvimento e aumentar a imunidade do bebê.

O leite materno terá sua composição mudada de acordo com os alimentos ingeridos pela mãe. Então, é importante manter uma boa alimentação, assim como na gestação. Dessa forma, o bebê já será introduzido aos bons hábitos alimentares praticados na rotina familiar.

6 meses e alimentação complementar

Após os 6 meses o bebê poderá iniciar o consumo de alimentos. A introdução alimentar também é conhecida como alimentação complementar. Porém, é importante lembrar que nem toda criança é igual. Algumas podem demorar um pouco mais para manifestar os sinais de prontidão.

É um período muito importante para o bebê. Pois é nessa fase que ele irá se familiarizar com os gostos e será exposto aos primeiros alimentos e suas texturas, sabores e cores. Essa transição da amamentação para o consumo de alimentos servirá como base para a construção de uma alimentação saudável futura.

Ao introduzir novos alimentos, o bebê entra em contato com uma alimentação variada e isso favorece uma boa alimentação. Todo esse processo facilita para que o bebê tenha uma boa relação com a comida e desperte o prazer para uma alimentação saudável.

Respeite o limite do seu filho, pois é comum que ele rejeite, cuspa ou até mesmo não abra a boca para receber o alimento. Outros podem comer com uma maior facilidade. Cada criança irá se desenvolver no seu tempo.

É importante lembrar também que até um ano de vida o leite ainda será a base alimentar do seu filho. A introdução dos alimentos deve ser de forma lenta e gradual e ao longo do tempo a própria criança vai aumentando a quantidade ingerida.

A introdução alimentar será apenas o início nessa fase. O aleitamento materno é recomendado até pelo menos os 2 anos de vida do bebê

A criança, ao entrar em contato com novas texturas e alimentos, irá se adaptando a uma alimentação saudável. Para que a alimentação saudável faça parte da vida da criança e isso se consolide, é muito importante que a família esteja junto nessa. Não adianta os pais construírem uma alimentação saudável para os filhos se eles não têm essa rotina.

Consumo adequado de nutrientes

Na introdução alimentar, o bebê irá iniciar seus hábitos saudáveis. O início é uma parte importante, pois a ingestão de diversos alimentos irá acontecer.

Consumo adequado de nutrientes

É quando a criança se alimenta bem, recebe quantidades de nutrientes importantes, como sais minerais, vitaminas e fibras. Esses nutrientes são muito importantes para o bom funcionamento do corpo e melhor desenvolvimento do bebê.

Vale lembrar que as fibras são muito importantes para a alimentação, pois além de melhorar o funcionamento do intestino, irão contribuir para formação da microbiota intestinal e também aumentará a imunidade do bebê.

É válido lembrar que a rotina de alimentação será criada pelos pais, porém as quantidades de alimentos ingeridas serão determinadas pela criança. No primeiro ano de vida o foco não é comer em grande quantidade.

A vontade do bebê deverá ser respeitada, não há problema comer em poucas quantidades. Lembre-se que durante o primeiro ano de vida do bebê a base da alimentação deverá ser o leite materno ou fórmula infantil.

Auxilia o Desenvolvimento Infantil

A introdução alimentar auxilia não só na alimentação saudável, mas em outros aspectos do desenvolvimento infantil. Por exemplo, a partir dos 6 meses o bebê já consegue pegar os alimentos utilizando os movimentos de preensão palmar.

Auxilia o Desenvolvimento Infantil

Assim, essa transição alimentar é uma ótima oportunidade para trabalhar com os estímulos sensitivos, como o tato e o olfato. Pegar o alimento, sentir seu cheiro e sabor, mastigar etc. Todos esses processos são fundamentais para a criança. E essa fase será de extrema importância para o aprendizado e desenvolvimento do bebê.

A partir dos nove meses o bebê já consegue fazer movimentos com a mão, como o movimento de pinça, pegando o alimento e levando até a boca.

Esse movimento de coordenação motora fina será fortalecido nesse período, assim a criança terá mais facilidade em desenvolver atividades manuais com o passar do tempo.

Estabelece uma boa relação com a comida

Quando a mãe alimenta seu bebê em um ambiente tranquilo e favorável a criança poderá brincar e explorar o alimento com alegria. Comer junto com a criança, conversar amorosamente são formas de estimular na hora da alimentação, o que facilita todo o processo de introdução alimentar.

stabelece uma boa relação com a comida

Muitas vezes a criança, que aprendeu estímulos novos, acaba brincando com a comida ou jogando no chão. Isso também é aprendizado! Além da criança brincar, ela acaba aprendendo e se adaptando aos novos estímulos.

É muito comum a mãe acabar brigando com o bebê na hora de comer por ele brincar com a comida. As mães acabam esquecendo que esse estímulo está sendo positivo também para o aprendizado da criança em outras áreas.

Além de tudo, é mais fácil a criança se adaptar e querer se alimentar dentro de um ambiente em que a mãe brinca e torna o comer um momento de fortalecimento de vínculo. Crianças que são forçadas a comer ou que as mães acabam brigando, podem associar a comida a um momento ruim. Então, proporcione um ambiente saudável e tranquilo para o seu bebê.

 Diminuição do risco de Seletividade Alimentar

No período de introdução alimentar, é importante que a comida variada seja mostrada ao bebê. Ao colocar no prato variados grupos alimentares separadamente e oferecê-los a criança, ela irá se familiarizar com os sabores e lá na frente o risco de seletividade alimentar será reduzido, já que ela conhecerá os sabores.

Diminuição do risco de Seletividade Alimentar

Quando o bebê atingir a faixa entre 18 e 24 meses, ele poderá entrar numa fase de seletividade alimentar. Essa fase é também conhecida como “mini adolescência”’, e o bebê tende a recusar alimentos até já conhecidos.

Então, quanto mais você fornecer alimentos variados, melhor! As papinhas industrializadas são feitas a partir de alimentos misturados. Desta forma, o bebê não sentirá seu sabor integral nem irá estimular outros sentidos ao se alimentar.

Dessa forma, ele não conhecerá o sabor real de cada alimento e isso pode prejudicar a sua introdução alimentar, contribuindo para a seletividade alimentar no futuro.

Aumento da imunidade do bebê

Construir o hábito de uma alimentação saudável irá melhorar o sistema imunológico da criança, assim ela terá menos problemas no futuro.

Aumentar a imunidade do bebê

Ao ingerir alimentos saudáveis, o bebê entra em contato com sais minerais, vitaminas e fibras, que são nutrientes importantes para o organismo. Esses nutrientes contribuirão para uma melhor formação da microbiota intestinal.

A microbiota intestinal é formada por diversos tipos de bactérias, boas e ruins. O equilíbrio entre elas contribui para aumentar a imunidade do bebê. Dessa forma, ao consumir alimentos saudáveis, a criança acaba tendo um bom desenvolvimento intestinal.

Ao consumir produtos industrializados, como os doces, o corpo da criança torna-se suscetível a bactérias danosas às células. Isso atrapalha também o desenvolvimento da microbiota intestinal. Bactérias patogênicas adoram doces! Evite esse tipo de alimento para seu filho.

A microbiota intestinal será formada até os 3 anos de idade e depois dessa fase é muito difícil que se possa melhorá-la caso não tenha sido bem desenvolvida.

É importante que mantenha uma alimentação balanceada, rica em frutas e vegetais, pois consequentemente isso irá contribuir de forma positiva para a saúde da criança.

Prevenção da Obesidade

Ao introduzir alimentos saudáveis, o bebê também será prevenido contra doenças, como a obesidade. Oferecer alimentos de preferência naturais e orgânicos é essencial.

Prevenção da Obesidade

Além disso, o prato da criança deverá ser bem equilibrado, com diversos grupos alimentares presentes.

Quando o bebê consome uma comidinha em pedacinhos, ele precisará mastigar, o que levará mais tempo para realizar a refeição, resultando em uma quantidade ingerida menor.

Isso facilita a saciedade e ajuda na autorregulação do apetite do bebê. Dessa forma, ele irá consumir a quantidade de nutrientes que o seu corpo precisa e não em excesso, isso diminui o risco de obesidade infantil.

Caso surja alguma dúvida ou caso você precise de um apoio na introdução alimentar, procure um Nutricionista Materno Infantil.

Esse especialista é o mais indicado para auxiliar nos processos de introdução alimentar e orientação para uma alimentação saudável.

Paula Stancari Nutricionista On-line

Gostou do conteúdo?

Uma resposta

  1. Recomendo colocar o local onde a matéria foi escrita pois não podemos usar o site de vocês para o TCC,e as informações dele são muito boas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paula Stancari

Paula Stancari

Nutricionista Especialista em Nutrição Materno Infantil e em Saúde da Família, tutora de Aleitamento Materno pelo Ministério da Saúde e mestranda pela UNIFESP

Perfil

Receba as novidades

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn